Fumar faz mal para os animais de estimação?

Certamente a maioria das pessoas está bem informada sobre os perigos do fumo.


Talvez você mesmo já entenda os riscos potenciais para a saúde envolvidos cada vez que acendem e percebe que esses riscos se estendem às pessoas próximas que inalam o fumo de maneira passiva.


Mas você sabia que o fumo passivo também pode afetar seus gatos, cachorros e pássaros?


Sim, isso é verdade, os animais de estimação também podem sofrer as consequências negativas do tabaco à saúde, quando simplesmente respiram o ar que circula ao redor de seus donos enquanto eles fumam.


Fique conosco até o final deste conteúdo e entenda em detalhes como o fumo atinge os pets e o que pode ser feito pelos donos deles.


Vamos lá!


Os efeitos do fumo passivo aos animais de estimação


Sem dúvidas, fumar possui diversos efeitos negativos para a saúde das pessoas.


Só que o contato direto com o tabaco não é necessário para alguém ser denominado como fumante.


Isso porque ao conviver com pessoas com o hábito de fumar, você pode inalar a fumaça produzida pelo cigarro sem mesmo aproximá-lo da boca.


Dessa forma, o chamado fumante passivo é caracterizado e fica exposto a vários danos à saúde, tanto leves como mais graves em alguns casos.


Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), entre os 7 milhões de pessoas mortas anualmente pelo tabaco, aproximadamente 900 mil são fumantes passivos.


Porém, os seres humanos não são os únicos prejudicados pelo fumo alheio.


Os animais de estimação também são expostos aos perigos do tabaco de maneira passiva.


Veja abaixo os efeitos causados em três tipos deles:


Cães


Os cães expostos ao fumo passivo têm mais infecções oculares, alergias e problemas respiratórios, incluindo câncer de pulmão.


Além disso, eles também podem ter tumores nasais devido ao convívio com fumantes.


O interessante é que o tipo de câncer obtido pelos cães tem relação com a extensão do nariz dele.


Enquanto os cães de nariz comprido são mais propensos ao câncer nasal, aqueles com narizes mais curtos costumam ter câncer de pulmão.


Os cães de nariz longo como Collie, Labrador e Doberman, possuem uma área de superfície aumentada nos seus canais nasais que aprisionam partículas inaladas.


Desse modo, as toxinas e carcinógenos do fumo do tabaco acumulam-se no muco nasal, colocando os cães de nariz compridos em maior risco de tumores.


A incidência de tumores nasais é 250% mais elevada em cães de nariz compridos expostos à fumaça do tabaco.


Por outro lado, o nariz curto de cães como o Pug, Shih Tzu e Pequinês, permitem que as partículas inaladas passem rapidamente pelas vias respiratórias e atinjam os pulmões.


Por isso, eles desenvolvem mais câncer do pulmão do que os seus amigos de nariz comprido.


Gatos


Os gatos que vivem em um ambiente com fumantes, correm maior risco de desenvolver câncer de pulmão.


Como também possuem cerca de 2 vezes mais probabilidade de desenvolverem o linfoma felino, um tipo de câncer que atinge os glóbulos brancos desses animais.


Além disso, você já deve ter percebido que os gatos são cuidadosos com sua higiene e isso os mantêm com uma aparência bonita.


Mas esse hábito dos gatos pode ser uma coisa ruim se eles estiverem em uma casa onde há fumantes.


Já que quando eles se limpam, eles também ingerem substâncias químicas nocivas vindas da fumaça que caíram sobre os seus pelos.


Passáros


Os pássaros são outros animais de estimação afetados pelo fumo passivo.


Eles possuem sistemas respiratórios extremamente sensíveis aos poluentes transportados pelo ar.

Assim, os pássaros são muito propensos a desenvolver problemas respiratórios como pneumonia e câncer de pulmão quando expostos ao fumo passivo.


Esses animais de estimação também apresentam maior risco de problemas de pele, coração, olhos e fertilidade quando estão alojados em ambientes com fumaça de tabaco.


Como reduzir os riscos do contato passivo dos animais com o tabaco?


Muitos proprietários não estão cientes do impacto em seus animais de estimação.


Quando percebem o efeito do tabagismo passivo, optam por fumar fora de casa como forma de reduzir a exposição de seu animal de estimação a produtos químicos nocivos.


Outras maneiras para reduzir o risco do contato passivo dos animais com o tabaco são:


● Fumar ao ar livre para evitar que partículas prejudiciais se acumulem em animais de estimação, tapetes e móveis;


● Não deixar pontas de cigarro ou cinzeiros em local de fácil acesso de animais de estimação;


● Lavar as mãos após fumar;


● Limpar regularmente os tapetes e locais onde fumou para reduzir a acumulação de partículas tóxicas em casa.


Conclusão


Por fim, a melhor coisa que pode ser feita pelo seu animal de estimação é dar um lugar confortável para viver, onde ele possa ter segurança e ser bem cuidado.


Os riscos para a saúde deles sendo fumantes passivos, muitas vezes podem superar os corridos pelos seres humanos.


Embora você possa reduzir a quantidade de fumaça do tabaco à qual seu animal de estimação fica exposto saindo de casa.


Certamente parar completamente de fumar é a melhor opção para a saúde e o bem-estar futuros do seu animal de estimação.


Eles acabam sendo mais uma motivação para você batalhar firmemente contra a dependência do cigarro.


Conheça nossa plataforma e participe de uma jornada temporária para superar esse problema.


Dessa forma você irá garantir a longevidade da sua saúde, dos animais e de todos à sua volta.


Clique aqui e saiba mais como dar um tempo no tabaco!

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo