Como o cigarro prejudica o meio ambiente

De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), existem mais de um bilhão de fumantes no mundo e 80% deles vive em 24 países. Dados da pesquisa Vigitel, feita pelo Ministério da Saúde, apontam que 9,8% dos brasileiros têm o hábito de fumar. Esse percentual representa cerca de 22 milhões de pessoas.


Você já parou para pensar em como tudo isso afeta o meio ambiente? O que acontece com as incontáveis bitucas de cigarro após o uso?

A fotógrafa de vida animal Karen Mason capturou uma imagem chocante de um pássaro alimentando seu filhote com um filtro de cigarro em uma praia na Flórida. Segundo especialistas, é comum que esses animais confundam o item com alimento.

Infelizmente, o hábito de fumar não prejudica somente o fumante, mas também as pessoas ao seu redor e a saúde do planeta. Continue a leitura e saiba por qual motivo o tabagismo é considerado um problema ambiental.


Danos ambientais causados pela plantação de tabaco


Vamos começar pelos danos gerados pela primeira etapa antes da industrialização do cigarro: A plantação de tabaco. O cultivo do fumo prejudica o ar, o solo, a água e ainda causa desmatamento.

O principal problema nesse estágio está relacionado com o uso de agrotóxicos, que é pulverizado e levado pelo vento, colocando em risco não só a saúde do trabalhador, mas também a da vizinhança.

O uso desses produtos na agricultura também pode contaminar o solo e as águas (rios, córregos...).

Durante esse processo o ar também é contaminado por partículas tóxicas emitidas quando ocorre a queima de madeira para que as folhas do tabaco sequem.

Como consequência disso acontece o desmatamento, outro problema ambiental causado pelo tabagismo, levando em consideração que grandes florestas são destruídas para que os fornos a lenha possam secar o fumo que será usado na fabricação do cigarro.

Apesar de ser pouco comentado, a troca de árvores nativas pelas de reflorestamento também pode interferir negativamente no ecossistema.


Impactos no ambiente gerados pela fabricação e consumo do cigarro


Conforme aponta a Unfairtobacco, a indústria do cigarro usa 2,4 milhões de toneladas de papel e papelão todos os anos para a produção de embalagens.

A fumaça do cigarro que é emitida pelos fumantes também libera diversas substâncias tóxicas no meio ambiente. Sendo essa uma das principais causas de poluição ambiental.

Ainda, há estudos que revelam que uma pessoa que fuma em torno de 20 cigarros diariamente recebe uma dose de radiação anual equivalente a cerca de 200 raios X.


Problemas ambientais causados pelo descarte de cigarros


Dos 15 bilhões de cigarros vendidos diariamente, cerca de 10 bilhões acabam no meio ambiente. Sendo que os resíduos desse produto possuem mais de 7 mil substâncias tóxicas.

O tempo médio de decomposição do filtro do cigarro é de cinco anos – que pode mudar de acordo com as condições climáticas do local onde foi descartado e da composição utilizada na sua fabricação.

Durante esse período, há uma grande probabilidade de que o vento e a chuva carreguem as pontas de cigarro para os rios e oceanos, causando a poluição das águas.

Anualmente de 340 a 680 milhões de resíduos de tabaco são gerados. As bitucas representam entre 30 e 40% de todos os itens coletados a cada ano em limpezas urbanas e costeiras.

Mas o problema não está apenas no filtro do cigarro em si, as embalagens também são descartadas incorretamente, prejudicando assim o meio ambiente.

Um artigo da NBC News alerta que as pontas de cigarro são a maior fonte de lixo no oceano, poluindo mais que os canudos e as sacolas de plástico.

Outra problemática envolve as queimadas nas beiras das rodovias causadas pelo descarte das pontas de cigarro acesas. Isso além de provocar danos ambientais, também reduz a visibilidade dos motoristas e pode contribuir para acidentes nas pistas.

Ao redor do mundo, diversos locais multam pessoas que jogam bitucas na rua. Em Singapura, por exemplo, um fumante foi multado em US$ 15 mil após ser flagrado por câmeras jogando pontas de cigarro pela janela do seu apartamento.

Essa é uma medida que pode ajudar a reduzir os impactos ambientais causados pelo tabagismo, mas está bem longe de resolver de fato o problema.


Como o cigarro afeta o meio ambiente - resumo:


Vamos recapitular os impactos ambientais causados pelo tabagismo? Veja abaixo:

· O uso de agrotóxicos para o cultivo do fumo pode contaminar o solo e as águas;

· Durante o processo de secagem das folhas do tabaco, o ar também é cominado por partículas tóxicas emitidas quando ocorre a queima de madeira;

· Desmatamento;

· A fumaça do cigarro emitida pelos fumantes libera diversas substâncias tóxicas no meio ambiente;

· As pontas de cigarro são a maior fonte de lixo no oceano;

· Queimadas nas beiras das rodovias causadas pelo descarte incorreto das bitucas;

· Animais de alimentam dos filtros de cigarro por confundirem com comida.


Como contribuir para amenizar esse problema?


Agora você já sabe de quais formas um produto tão pequeno pode causar grandes estragos no meio ambiente.

Mas o que pode ser feito para amenizar esse problema?

A maneira mais efetiva de reduzir os impactos ambientais causado pelo consumo de cigarro obviamente é parar de fumar. No entanto, quem tem dificuldade cessar o tabagismo pode contribuir com ações simples, porém significativas:

· Descartar a bituca de cigarro corretamente;

· Segurar a bituca de cigarro até encontrar uma lixeira;

· Ter um porta bitucas/bituqueira;

· Apagar o cigarro antes de jogá-lo fora.


Por fim, conforme você pôde ver, o tabaco traz grandes impactos negativos para o meio ambiente. Portanto, reduzir o seu consumo pode ser uma excelente maneira de preservar a sua saúde, a dos seus familiares e a do planeta.


Se você precisa de ajuda para diminuir o uso de cigarros ou dar um tempo nesse hábito nocivo, conte com o apoio do Aplicativo Dei Um Tempo.


Formulado por profissionais da saúde, o app tem como objetivo te ajudar a encontrar sua melhor versão de forma prática, flexível, secreta e agradável.

Quer saber mais? Então conheça o nosso método!

29 visualizações0 comentário