Café e cigarro: uma associação perigosa!

Atualizado: 26 de mai. de 2021


Café e cigarro: uma associação perigosa!


Quem fuma sabe que café e cigarro estão ligados.


E essa ligação vai muito além da frase:

“O café esfria, o cigarro apaga, o tempo passa e as pessoas mudam.”


Muitos fumantes têm uma dificuldade dantesca para acordar sem tomar uma xícara de café e fumar um cigarro.


Mas por que isso acontece?

Porque há tanta relação entre café e cigarro?


É o que você vai descobrir neste artigo!


Vamos lá?


Café e cigarro: dois vícios, uma combinação


Nem todo mundo sabe, mas o café também vicia.


Afinal, a cafeína contida no café estimula regiões cerebrais relacionadas com o sistema de recompensa.


Ao ser ativado, esse sistema libera um neurotransmissor chamado dopamina que gera uma sensação de satisfação em quem consome o café.


Mas acontece que os receptores da dopamina se tornam cada vez menos sensíveis ao neurotransmissor.


Assim, o corpo precisa ter contato com uma quantidade cada vez maior da substância para obter os mesmos resultados.


Isso é conhecido como tolerância, que é um dos dois pilares da geração da dependência.


Um outro aspecto para causar um vício é a chamada abstinência.


Se você tem o hábito de beber bastante café todo dia, experimente ficar 1 dia sem a bebida.


Certamente você irá sentir sintomas como dor de cabeça, cansaço e uma certa confusão mental.


Isso nada mais é que os sintomas de abstinência, ou seja, seu corpo está sentindo falta dos efeitos daquela substância.


Tanto a cafeína quanto a nicotina (presente no cigarro) causam dependência química, ou seja, geram tolerância e causam abstinência.


Além de viciarem, pesquisas apontam que a combinação da cafeína e nicotina aumentam os malefícios que ambas substâncias têm.


Segundo uma pesquisa do Journal of the American College of Cardiology a combinação cigarro e café aumenta a chance de danos arteriais quando comparado ao uso separado.


Embora o café em quantidades moderadas não faça mal para a saúde, quando ele é um gatilho para o fumo do cigarro naturalmente percebe-se o mal que ele pode fazer.


Contudo, é importante relatar que a associação do café e cigarro vai muito além de uma questão biológica.


Também é preciso destacar o ponto psicológico que une esses dois componentes.


Café e cigarro: o ritual que vicia


Muitos de nossos comportamentos são feitos no automático.


Por exemplo, escovar os dentes é um hábito que se faz sem pensar muito.


Afinal, isso acontece porque o cérebro humano é treinado para identificar padrões.


Esse mecanismo existe para que se preserve energia cerebral.


Nada mais é que uma forma que o ser humano encontrou para aumentar sua chance de sobrevivência em um contexto primitivo.


Uma vez entendido que você e eu procuramos padrões em nossa rotina para diminuir o uso de energia cerebral, é possível compreender o ritual que envolve o café e o cigarro.


Depois de vários dias relacionando o café e o cigarro, estabelece-se uma relação de estímulo-resposta, isto é, uma vez que você se depara com uma xícara de café seu cérebro é condicionado a buscar um cigarro para fumar.


Esse tipo de dependência é chamada de dependência psicológica, pois envolve rituais condicionantes, não relações de tolerância e abstinência como a dependência química.


Parar de fumar não é um hábito isolado


Após entender a correlação entre o café e o cigarro, você pode notar que o desafio de largar o cigarro não é apenas sobre parar com o tabaco.


Se livrar do tabagismo envolve romper com uma série de rituais que envolvem outras substâncias como, por exemplo, o café e o álcool.


Não à toa, há uma relação considerável entre tabagismo e alcoolismo.


Muitos desses ganchos de memória são estabelecidos a nível inconsciente, ou seja, a pessoa não se dá conta que determinadas substâncias e contextos deflagram a vontade de fumar.


Ao adquirir essa consciência o fumante tem mais facilidade em se livrar do vício do cigarro.


É claro que cada pessoa é única e possui contextos de vida diferentes.


Por isso, é crucial que se busque ajuda especializada para que cada caso seja analisado de forma personalizada.


Contudo, é possível dar algumas dicas gerais que podem ajudar no combate ao vício do cigarro.


Dicas para romper o ciclo café e cigarro


Uma das abordagens mais eficazes para tratar a dependência química ao tabaco é a Terapia Cognitiva Comportamental (TCC).


A TCC envolve localizar e substituir os gatilhos que suscitam os comportamentos compulsivos.


Por exemplo, a resposta ao estresse muitas vezes é o fumo.


É função do terapeuta localizar essa correlação e mostrar ao tabagista uma maneira mais funcional de lidar com aquele estímulo.


No caso, pode-se substituir o fumo por uma atividade física, meditação, ouvir música ou qualquer outra coisa que cause relaxamento na pessoa.


Pois bem, mas como encerrar o ciclo café e cigarro?


O café nada mais é do que uma bebida que pode ser substituída por outra que não esteja associada com o ato de fumar.


É possível tomar um suco, água ou até mesmo mascar um chiclete para não ativar o gatilho do café e cigarro.


Há comprovação científica que a busca por gratificação oral por outra substância que não seja o café ajuda a romper com o ciclo da dependência.


Conclusão


Por fim, a relação entre o café e o cigarro torna o parar de fumar ainda mais desafiador.


Não só há uma questão biológica que reforça esse comportamento nocivo, mas também psicológica.


Assim, como foi visto, gera-se dois tipos de dependência: a química e a psicológica.


Para enfrentar esse desafio, é preciso recorrer a quem sabe do assunto.


Nós da Dei Um Tempo contamos com uma equipe de ponta especialista em ajudar pessoas que querem se livrar do tabaco.


Quer saber mais?


Clique aqui e conheça as nossas jornadas exclusivas!



32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo